domingo, 13 de março de 2016

劇場版ウルトラマンギンガS 決戦!ウルトラ10勇士!! - Ultraman Ginga S The Movie - Confronto Decisivo! Os 10 Heróis Ultra!!


Terminei de ver Ultraman Ginga S The Movie - 決戦!ウルトラ10勇士 (Kessen! ULTRA 10 Yuushi, "Confronto Decisivo! Os 10 Heróis Ultra"). Abaixo segue um resumo e impressões.

Obs.: contém detalhes sobre os rumos da trama.



O filme se passa depois dos eventos da série de TV Ultraman Ginga S. Hikaru volta de uma viagem de treinamento no exterior, trazendo presentes que nem sempre agradam. Para sua surpresa, a androide Mana foi reconstruída e Sakuya, do povo subterrâneo Victorian, se juntou ao time de defesa da Terra UPG (Ultra Party Guardians).


Enquanto isso, no mundo de Ultraman Cosmos se desenvolve uma grande luta. O herói enfrenta um inimigo, Etelgar, que planeja selar todos os Ultras em espelhos. Para isso ele conta com a ajuda da misteriosa guerreira Alena. Cosmos é derrotado e preso junto com vários Ultras de outros mundos, mas consegue se separar de Musashi, seu hospedeiro humano, garantindo sua sobrevivência. Nisso, Ultraman Zero surge para intervir. Após uma breve luta, Etelgar foge e parte para o mundo de Ginga e Victory em seu Castelo Dimensional.

Ultraman Cosmos enfrenta Etelgar
Os Ultras, presos em espelhos.
Ultraman Zero (Mamoru Miyano), em uma rara ocasião em que ele luta vestindo a Ultimate Aegis.

Alena planeja selar todos os Ultras porque seu mundo, o planeta Zant teria sido devastado por um deles, o Ultraman Ginga. Ela teria sido salva por Etelgar, que a acompanha e a serve desde então. Mas há algo errado...

Alena, Guerreira dos Espelhos, interpretada por Arisa Komiya, que foi Yoko Usami/Yellow Buster em Go-Busters.
Etelgar, interpretado por Tatsuhisa Suzuki, que foi o Buddyroid Usada Lettuce, também em Go-Busters e parceiro da Yellow Buster.

Etelgar se mostra um oponente extremamente poderoso, capaz de derrotar Ginga e Victory juntos e ainda por cima suportar um ataque de Zero que pôde vencer até mesmo Ultraman Belial. Nisso, Hikaru e Sho passam por um treinamento administrado por Zero e ganham um novo poder.


Um Novo Herói! Ultraman Ginga Victory!
União é a Chave!

Uma luta contra o Tempo

Uma palavra para definir este filme: "quase". Ele quase conseguiu ser um grande filme. Mas teve um fator adverso, que é o tempo de duração de apenas 62 minutos. Por causa disso, muita coisa não pôde ser explicada ou desenvolvida.

Uma é o objetivo final de Etelgar. O que ele queria ao selar os Ultras? Dominar o Multiverso? Se alimentar do terror no coração das pessoas? Isso acaba ficando na suposição. Também não houve tempo para desenvolver a relação entre Hikaru e Alena e por causa disso, a cena de seu salvamento não é muito convincente e nem traz catarse. Para lidar com o problema do tempo, uma opção seria tirar as partes cômicas em que o pessoal da UPG sofre ataque psíquico. Mas depois de ver como as cenas foram feitas, hesito em cogitar essa possibilidade.

Superando os próprios medos(?).

Por outro lado, as cenas de ação são excelentes, como é de se esperar do diretor, Koichi Sakamoto. As lutas entre os atores são muito bem coreografadas, sendo que todas elas foram feitas sem dublês. Taiyou Sugiura, que fez Musashi Haruno/Ultraman Cosmos até conta que fez vários treinamentos para isso.

Aproveitando a experiência adquirida em Go-Busters.
Uso de pó branco para dar maior impressão de impacto aos golpes. Uma marca registrada de Koichi Sakamoto.
Nas cenas com personagens gigantes isso é feito usando terra.
A cena foi feita pelo próprio Sugiura!

Confronto Decisivo

O filme começa a ficar bom mesmo a partir da libertação dos Ultras. Eles não estão lá apenas para figuração. Cada Ultra enfrenta um inimigo diferente, com exceção de Tiga, Dyna e Gaia, que enfrentam um oponente em comum como se fosse uma referência ao filme Ultraman Tiga, Ultraman Dyna e Ultraman Gaia - Batalha no Hiperespaço. Nessa hora é tocado um empolgante medley das músicas de batalha dos três Ultras em um excelente rearranjo.

Tiga, Dyna e Gaia juntos mais uma vez!

As lutas se passam em cada andar do Castelo Dimensional, lembrando o filme Jogos Mortais com o grande Bruce Lee. E de acordo com o diretor Sakamoto, isso foi intencional, já que ele mesmo entrou no ramo por gostar de filmes de ação de Hong Kong. É seguida mais uma vez a fórmula do "deixem aqui comigo e vão em frente", com cada Herói enfrentando um inimigo poderoso e inesperado, que não dava para imaginar que apareceria neste filme. E cada cenário tem uma cor diferente, remetendo a alguma situação enfrentada por cada Herói. Um recurso semelhante ao usado em Precure All Stars DX 3.

Deixem...
... aqui comigo...
... e vão...
... em frente!

As cenas de luta de cada Herói têm um bom tempo de duração. E antes de começar, eles falam uma frase que remete ao personagem. Uma pena que somente Dyna, Gaia, Cosmos e Zero sejam dublados por seus atores originais. A frase de Mebius em especial é memorável e teria uma carga emocional muito mais forte se fosse dita por Shunji Igarashi, o ator original.

Curiosamente, os inimigos fazem uma breve apresentação, dizendo seus nomes. Os Ultras ao mudar de forma, também fazem isso, além de gritarem os nomes dos raios. De acordo com o diretor, isso foi para fazer com que as crianças que vejam o filme conheçam e se lembrem deles. De fato, só com os gritos comuns não daria uma sensação de "clímax".

As músicas de fundo de cada luta são as mesmas dos seriados de cada Herói e contribuem para aumentar a empolgação. E a batalha final com Etelgar é ao som da vibrante 英雄の詩 (Eiyuu no Uta, "Canção do Herói"), do grupo The Alfee, extremamente apropriada para a ocasião.

Terminando de ver o filme, percebo que ele foi uma enorme "brincadeira" do diretor Sakamoto, no qual ele fez o que queria dentro das limitações. Só não houve tempo de desenvolver melhor a história, que deixou muitas dúvidas. Mesmo assim o filme foi muito divertido, recheado de ação e efeitos especiais, com uma luta final que é pura adrenalina e com elementos que vão despertar a nostalgia dos fãs das séries Ultra da Nova Geração. Um bom entretenimento.

Infelizmente Ultraman Ginga e Ultraman Ginga S terão a exibição no Crunchyroll com bloqueio de acesso para os países da América Latina, incluindo o Brasil. Torço para que seja porque alguma outra empresa irá lançar este filme em DVD ou Blu-Ray por aqui, mas isso é apenas uma suposição.


Nos Bastidores - Os Extras da Memorial Box


Comprei a Memorial Box, que inclui um disco com extras sobre os bastidores das filmagens. O material é extenso, com um total de 95 minutos, mais até que o próprio filme(!). Mas cada minuto vale a pena e de certa forma esse disco é o principal do pacote.

Estão incluídas cenas de making mostrando como foram feitos os efeitos especiais. Estranhamente eu fiquei maravilhado ao ver essas cenas. Agora eu sei como eles fizeram e isso não me tirou o entusiasmo ou a graça dos filmes, muito pelo contrário.

Cena usando "fundo verde" (chroma key) e depois computação gráfica para fazer o cenário. Também é usada wire action.
Ambas são técnicas introduzidas nas séries Ultra por Koichi Sakamoto
Esta cena, com a câmera parecendo girar ao redor dos personagens é feita colocando os atores em uma plataforma giratória.
Também é usado o "fundo verde".

Um dos materiais é com Fuchimu Shimakura, artista plástico que pintou as nuvens do céu nos cenários. Dizendo assim não parece grande coisa, mas ao ver as cenas é impossível dizer que elas não foram feitas ao ar livre. Shimakura faz esse serviço para a Tsuburaya desde o primeiro Ultraman. E também foi ele quem desenhou o Monte Fuji que aparece no fundo do episódio 3 de Ultraman Ace

A roupa de Alena foi feita pela estilista YOU-KO, da JAP Koubo e confeccionada à mão. Esses trabalhos feitos com artesania são para mim um dos grandes atrativos das séries Ultra.

Nas entrevistas com os atores, Taiyou Sugiura comenta que trabalhar com as séries Ultra é como integrar uma família. Ele até faz graça com a própria idade quando o ator principal, Takuya Negishi/Hikaru Raidou comenta que via Ultraman Cosmos quanto tinha apenas três anos de idade. Por razões óbvias, Sugiura não comenta o incidente que ocorreu durante as filmagens do seriado, mas ele parece não guardar nenhum rancor e faz as coisas com desenvoltura.

E existem vídeos do all up dos atores, que é a despedida depois de filmar suas últimas cenas. O clima é de bastante entrosamento e união, tanto entre eles quanto com o diretor. Existem trocas de presentes, alguns até feitos à mão, e visitas-surpresa. Algumas cenas de finalização são bem inesperadas, como a de Negishi e Kiyotaka Uji/Sho/Ultraman Victory, que é quando eles fazem o salto para formar o Ultraman Ginga Victory e para isso ficam dependurados por fios diante do "fundo verde". A de Takahiro Kato é bem engraçada, quando seu personagem, Gouki, tem que comer tomates.


Outro material é este livreto com uma apresentação dos personagens, assim como notas de produção e entrevistas com os personagens(!) e com os roteiristas, Yuji Kobayashi e Takao Nakano, que mais tarde trabalhariam em Ultraman X. Recomendo que esse livreto seja visto só depois de ver o filme, já que ele mostra muita coisa.

Kobayashi e Nakano revelam que houve várias versões até chegar na final. Em uma delas, Alena seria de fato uma vilã que capturaria os Ultras para serem parte de sua coleção e viveria sozinha em Zant, um planeta arenoso. Daí viria seu nome, que seria tirado da palavra espanhola arena, que significaria "areia". "Zant" também teria esse significado em uma outra língua, mas que os roteiristas não sabem especificar qual.

Em outra versão da história, Hikaru e Sho seriam mandados para dimensões diferentes e lá cada um se encontraria com o Ultraman Leo e Astra, que dariam a eles treinamentos. Isso foi ideia do diretor, que é fã do Leo. Mas no fim resolveram fazer com que Zero treinasse os dois. Isso de se ter um treinamento foi inspirado no filme O Mestre Invencível, com o grande Jackie Chan.

No começo cogitou-se trazer apenas o Ultraman Max como convidado especial, mas depois de vários debates, chegou-se à conclusão de que o público iria querer ver um filme reunindo todos os Ultras da Nova Geração e as idéias seguiram esse sentido.

Cena do treinamento de Hikaru e Sho pelo Ultraman Zero.
Essa diferença de condicionamento físico...
Leo e Astra no fim fizeram apenas uma ponta.
Mudança de forma. Um dos pontos em que o diretor insistiu. Recurso semelhante foi usado no filme do Kamen Rider Fourze.

Também está incluído um vídeo de uma entrevista com o diretor, que acabei diluindo em toda a matéria. Percebi que ele se divertiu bastante ao fazer o filme e até comenta que sentiu a limitação do tempo. Mesmo assim ele fez o que queria dentro dessa restrição.

O Castelo Dimensional, inspirado em Independence Day. O próprio diretor admite que ficou muito grande.

Nessa eu pude confirmar a fama que Sakamoto tem entre os fãs japoneses de ser um tarado de marca maior. Ele conta que foi sua a ideia de colocar Sakuya usando minissaia ao invés de uma calça como a oficial Arisa, mostrando as pernas. E foi por essa mesma razão que Arisa aparece usando uma bermuda curta na cena em que ela enfrenta seus medos.

Taradão!
Só pensa... naquilo!

O diretor conta no fim da entrevista que gostaria de trabalhar novamente com as séries Ultra. E ele fez isso, mostrando um bom trabalho em Ultraman X. Também espero que ele tenha a oportunidade de fazer mais um filme... e que deem mais tempo para ele.

Todos somos Ultraman!

4 comentários:

  1. Parabéns mais uma vez, suas matérias são sempre excelentes, um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Major!

      Sempre faço o melhor que posso!

      Excluir
  2. Opa! Que resenha legal! Tava sentindo falta mesmo de um report desse filme. Acho que foi o primeiro que li até agora. E olha que assisti o filme ainda no ano passado.

    Concordo que o curto tempo disponível impediu que a estória tenha se desenvolvido melhor. Isso é uma pena. Mas acho que o filme vale mesmo pelo fato de termos heróis como Nexus (finalmente!), Max e Mebius de volta à ativa. Também achei sensacional a luta entre Zero e Belial. Só penso que poderiam "poupar" mais esse grande vilão e não abusar tanto dele. Se o Belial aparecer uma vez por ano pra levar porrada, corre o risco de acontecer o mesmo que a Toei fez com o Shadow Moon: um grande vilão que acabou sendo banalizado de tanto apanhar em especiais.

    Um dos pontos altos do filme e uma das coisas que eu mais gosto em Ultraman Ginga é o tema cantado pelo grupo Voyager. Era uma música incidental na série do Ginga e acabou virando tema principal do filme. Adoro essa música! É uma das minhas preferidas. =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Bruno Seidel!

      A ideia original era falar do Ultraman Mebius & Ultraman Brothers, mas imaginei que já haveria toneladas de matérias falando dele e por isso optei pelo Ginga S, que provavelmente teria menos material.

      Não tinha pensado nisso. Talvez seja por isso que não colocaram o Dark Zagi para enfrentar o Nexus, já que ele apareceu no especial de cinema da primeira temporada do Ginga. Mas acredito que a Tsuburaya saiba usar bem o Belial, sempre mostrando-o como um ser ameaçador e um inimigo forte, diferente do Shadow Moon, que acabou virando figurante.

      Ah! Essa música é muito bonita! Gostosa de ouvir! A Legend of Galaxy Ginga no Hasha também é ótima! Outro ponto forte da Tsuburaya é o de escolher bem as músicas.

      Excluir