domingo, 28 de fevereiro de 2016

映画フレッシュプリキュア!おもちゃの国は秘密がいっぱい?! - Fresh Precure! - O Filme - A Terra dos Brinquedos é cheia de segredos?!



Passei o Carnaval vendo filmes e um deles foi 映画フレッシュプリキュア!おもちゃの国は秘密がいっぱい?!(em uma tradução rudimentar, "Fresh Precure! - O Filme - A Terra dos Brinquedos é cheia de segredos?!"). Abaixo segue um resumo e impressões.

Obs.: contém informações sobre os rumos da trama.


O filme começa com Love (Cure Peach), Miki (Cure Berry), Inori (também chamada de Bukky, Cure Pine) e Setsuna (Cure Passion) tomando um lanche na van de rosquinhas do misterioso Kaoru Tachibana e combinando sobre a festa do pijama que elas irão fazer na casa de Love. Lá se vê que Setsuna ainda está tentando se ajustar ao grupo após deixar de ser a vilã Eas e sair da Nação Controlada Labyrinth. Mas todas elas a tratam como uma amiga. 


A cena muda para a festa do pijama. As meninas ajudam a mãe de Love na cozinha e continuam falando de assuntos triviais, como por exemplo de um bazar ao ar livre em que as pessoas vendem as coisas que já não lhe servem mais. Nisso, surge uma notícia de que brinquedos estariam desaparecendo misteriosamente, como em um passe de mágica.


Elas tentam investigar, mas não descobrem nada. Mesmo assim, Love promete para as crianças que as Precure irão recuperar os brinquedos. Ao voltar para casa, diante de Love surge uma coelhinha de pelúcia, desgastada com o tempo, que pede ajuda a elas. Essa coelhinha é Usapyon, o brinquedo favorito de Love quando ela era criança e conta para as meninas que quem está por trás dos desaparecimentos misteriosos é Toy Majin, que habita a Terra dos Brinquedos em outra dimensão. E que ele planeja dominar o mundo dos humanos.

Usapyon (Hiromi Tsuru),  o brinquedo favorito de Love
O inimigo Toy Majin (Kouzou Shioya).
Curiosamente ele interpretou o personagem Majin Buu nas séries Dragon Ball, mas este Majin não está para brincadeiras...
Conde Roulette (Banjou Ginga), comparsa do Toy Majin


É um Mundo Pequenino

Um mundo alegre e colorido...?

O filme começa bem bobinho, bem infantil mesmo. As Cures seguem Usapyon e vão a um reino de brinquedos, que a princípio parece ser um lugar alegre e feliz. Chega a ser até um pouco enfadonho, mas isso muda quando o Toy Majin atrai as Cures para uma armadilha, separando-as e forçando-as a lutar em ambientes diferentes.

Esta situação, imitando um jogo de tabuleiro, foi referenciada em Precure All Stars DX 3, mas com um dado
Love enfrenta uma figura articulada (Falcon + Bruce Lee?)...
... Miki, um disco voador de lata...
... Bukky, um dinossauro de vinil...
... e Setsuna um exército de peças de xadrez.

As cenas de ação são cheias de movimento e cada Cure lida com seus oponentes a sua maneira. Peach com suas habilidades de luta, Berry com inteligência e sagacidade (e um pouco de força), Pine com sua bondade e percepção e Passion com seus poderes de teleporte. Isso foi bom para que cada Cure tivesse uma cena de destaque no filme.

Um elemento que merece menção é a música, que é diferente em cada ambiente: na luta de Peach é usada uma que remete a filmes de kung-fu e na de Berry, um tema de ficção científica. Com Pine é tocado um fundo tribal e o tema de Passion é elegante, como em um cassino.

Cada Cure enfrentando seus oponentes

A luta com Toy Majin também é bastante dinâmica, com as Heroínas se desviando de uma saraivada de misseis. É usada computação gráfica (CG) na cena do confronto com a forma final do chefe inimigo. Aparentemente isso foi feito de forma experimental e causa um pouco de estranheza devido à eventuais quedas de quadros de movimento. E algumas vezes são intercaladas cenas com animação tradicional, o que aumenta ainda mais a sensação de deslocamento. Essas são técnicas que seriam aperfeiçoadas com o passar dos anos.

Chuva de mísseis. Note que os lançadores se parecem com brinquedos.

A forma final do Toy Majin, representada em CG, dando sensação de massa e poder.
As Cures também são representadas com essa técnica.
Em algumas cenas é usada animação convencional para representar as personagens e computação gráfica para os cenários


Amargo Segredo

Um mundo triste e sem cor

Quando é revelado o "Segredo" da Terra dos Brinquedos o filme passa a ter um tom mais melancólico. Este na verdade é o lugar para onde vão os brinquedos que foram abandonados pelas crianças, em que eles construíram um mundo para viver em paz. Mas no fundo, todos esses brinquedos guardam ressentimentos por terem sido jogados fora, incluindo o próprio Toy Majin, cujo corpo atual é composto por esses rancores. Seria por isso que ele planeja dominar o mundo dos humanos: para se vingar das crianças e fazer com que elas sintam o que ele sentiu. Ou seja, ele não é uma entidade totalmente má e tem seus motivos para fazer o que faz. O lamento dos brinquedos é doloroso e corta o coração, evocando sentimentos de compaixão do espectador. O visual retrô dos brinquedos faz com que não só as crianças, como os adultos também sintam um aperto no peito.


Love vê Usapyon entre os brinquedos que compõem o Toy Majin e isso mina o seu moral, fazendo com que ela seja tomada pelo sentimento de culpa por ter deixado seu brinquedo esquecido em um armário.

Miki, mais uma vez se faz de má para que Love se lembre do que deve fazer.
Love recupera seu ânimo graças a suas amigas...
... para salvar alguém que lhe é cara...
... e para cumprir uma promessa.
Milagres e Magia existem

Para Todas as Idades

Um título aparentemente inocente, mas que guarda um sentido mais profundo (e até mesmo irônico) é algo recorrente nas séries Precure. Um exemplo seria o especial de cinema de Yes! Precure 5 cujo título seria traduzível como "A Aventura Milagrosa na Terra dos Espelhos", e o que aguarda as heroínas é uma luta de morte com cópias malvadas. Mesmo assim existe uma mensagem de esperança. De que ainda existe amor e que todos podem se redimir de seus erros e começar de novo, tanto Love quanto o Toy Majin. E esse é um dos temas principais de Fresh Precure!, que foi mostrado com a salvação de Setsuna/Cure Passion na série de TV.

Yuji Kobayashi e Shozo Uehara dizem que uma história que cativa o espectador é aquela que mexe com temas que falam às pessoas, que seriam "Família", "Amor" e "Amizade". Atsushi Maekawa, roteirista do filme, mostra que existe mais um: "Brinquedos". O filme trata de algo que provavelmente todos têm guardado no fundo do coração: o carinho por algum brinquedo do passado e o sentimento de culpa por jogá-lo fora, quebrá-lo ou deixá-lo em um canto qualquer. Algo que também foi explorado em Toy Story e em um episódio de Ultraman Cosmos.

Também é digno de nota o modo como foram encaixadas as Luzes Milagrosas, um recurso muito usado nos filmes das séries Precure, que funcionam como um Deus ex machina. Mas neste filme isso foi colocado como algo indispensável dentro da própria história para trazer a solução final, considerando a situação e a motivação do Toy Majin, tomado por ódio e ressentimento.

A explicação das Luzes Milagrosas é feita no começo do filme por Kaoru Tachibana e os mascotes Tarte e Chiffon.
Nessa hora existem brincadeiras de cenário bem interessantes. Ao lado de Tarte, está o anti-vilão Wester, em sua forma de Hayato Nishi.

A arte tem várias distorções e não é tão caprichada quanto em obras mais recentes. E para as transformações e golpes especiais são usadas as mesmas cenas da série de TV e por isso ver em DVD ou Blu-Ray faz com que elas não tenham tanta graça, já que o impacto seria maior vendo no cinema, na tela grande. As partes com computação gráfica têm seus pontos fortes e fracos. Por um lado, a forma final do Toy Majin, composta por inúmeros brinquedos, e as cenas de destruição causadas por seu poder são bem representados. Por outro, as inserções de cenas com animação convencional dão uma sensação de destoamento.

Mesmo assim, o filme consegue evocar sentimentos e trazer catarse no final. O roteiro em si é bem construído, ainda que simples, que começa morno, mas que de repente tem uma reviravolta para a ação e depois para o drama, com uma lição para as crianças (e também para os adultos), dando-lhes o que pensar e refletir. Não é o melhor da franquia, mas é um bom filme para "todas as idades". Uma pena que ele não pode ser visto por aqui, ao menos pelos métodos usuais, a não ser que um dia haja um "Fresh Glitter FORCE".

Duro seria adaptar isso aqui...


Nos Bastidores - Back to the Fresh


No pacote está incluído um CD com conversas entre os dubladores Kanae Oki, que interpretou Love/Cure Peach e Taiki Matsuno, que foi o mascote Tarte contando algumas histórias dos bastidores.

Eles contam que a cada meio ano é feito um encontro reunindo pessoal do elenco e da equipe de produção, no qual eles saem para beber. Nem sempre todos podem comparecer, devido à agenda profissional, mas os encontros sempre são divertidos.

Oki conta que era estreante na época do desenho e muitas vezes acabava errando as falas e não acertava o tom de primeira, mas sempre podia contar com a ajuda de seus colegas. No começo ela até sentia antipatia por Matsuno, que um dia soltou um profundo suspiro quando ela cometeu um deslize. Mas isso mudou quando uma vez Oki errou uma frase durante as gravações, sendo logo assistida por um improviso de Matsuno e desde então acabou pegando admiração por ele. Pena que ela se esqueceu de qual cena era, deixando Matsuno na mão, sem explicar como foi isso e mostrar o quanto ele foi bom.

Outro grande obstáculo foi fazer a cena de transformação com todas as heroínas dizendo a palavra chave em uníssono. A sincronização nunca dava certo e por causa disso era necessário fazer muitas repetições. Quando eram três era bem difícil e quando Setsuna entrou no grupo foi pior ainda. Mas elas conseguiram superar isso depois de muito esforço (e sorte, segundo Oki).

Matsuno comenta o episódio em que Tarte e Bukky trocam de personalidade. É revelado que isso foi ideia do próprio produtor, Atsutoshi Umezawa, que foi diretor em alguns episódios da versão animada dos anos 1990 de Kidaichi Shounen no Jikenbo, no qual Matsuno fazia o papel principal de Hajime Kindaichi e Akiko Nakagawa, dubladora de Bukky, interpretava a heroína Miyuki Nanase. Ambos continuam representando esses personagens na série atual, Kindaichi Shounen no Jikenbo R, disponível no Crunchyroll.
Matsuno conta que ficou bem encabulado em falar as frases da Cure Pine, pois nunca havia feito uma cena de transformação em sua vida, embora dissesse frases de efeito. Oki, fã de Super Sentai, apontou que ele fez um Herói, mas que não se transformava. Matsuno logo percebeu que personagem era esse, embora não citasse seu nome (provavelmente um certo ninja verde...).

E no final, Oki e Matsuno leem uma mensagem do produtor Umezawa, no qual ele comenta que pediu permissão aos administradores dos cinemas de deixar as crianças se levantarem e acompanharem a dança de encerramento do filme. Isso foi parte de sua iniciativa para alavancar a audiência dos filmes, usando ao máximo o elemento da "Dança", inclusive com a presença de atores fantasiados em algumas salas.

O clima das conversas foi bem divertido, tanto que a princípio pretendia ouvir só uma trilha para escutar o resto mais tarde, mas acabei rodando o CD inteiro logo na primeira vez. Foi bom ver que eles têm apreço pela série, embora tenham se esquecido de algumas coisas (ou fingiram que esqueceram para ficar mais engraçado).

A dança de encerramento do especial de cinema conta com Chiffon e Tarte.

2 comentários:

  1. Parece uma história bem interessante, ainda mais quando explicada com tantos detalhes XD
    Com esses modelos em CG das garotas, já dá pra fazer um jogo de video game!

    Deve ser uma ótima experiência assistir esses animes diferentes no cinema, pena que aqui isso nunca vai acontecer.

    Pra quem coleciona "brinquedos" como action figures, com certeza essa história chama bastante a atenção. E de fato, dá um certo sentimento ao vender um figura, ver aquele item indo embora, ou também quando uma figura acaba quebrando. Realmente existe apego.

    Então quer dizer que no final das contas, a Belldandy sempre esteve certa: os objetos também possuem sentimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ronin!

      No Japão existe essa crença de que objetos que são tratados com apreço e carinho acabam ganhando vida. É o "Tsukumogami" mais uma vez. E isso é tema recorrente em Precure. Mas se a Deusa falou, então está falado. O que ela diz é Verdade Universal.

      Vender ou doar não tem problema, já que vai ser passado para alguém que também vai dar valor. Duro é quando quebra ou se joga no lixo mesmo. Isso dói pra caramba... Por isso tenho um tremendo medo de ver Toy Story. Corro o risco de ser desidratado pelos olhos.

      Excluir